A verdade sobre a ingestão de carboidratos

A verdade sobre a ingestão de carboidratos

O problema não é comer carboidratos, e sim quanto e quais comer. É aí que estamos errando. 😉
Saber consumir esse macronutriente de forma inteligente é uma arte. Falaremos um pouco sobre isso neste artigo.

Carboidratos

O que são carboidratos?

Se você ainda tem dúvidas sobre o que de fato são os carboidratos, saiba que não está sozinho. Muitas pessoas que se consultam comigo fazem essa pergunta.

Os carboidratos são os macronutrientes que têm basicamente um papel energético, ou seja, de fornecer energia ao nosso corpo. A questão é que energia que não é gasta é acumulada sob a forma de gordura.

Entre os tipos de carboidratos, temos:

  • Os simples, de rápida absorção e digestão, como os que podem ser encontrados em frutas, açúcar e mel;
  • Os carboidratos complexos, que estão presentes em alimentos como arroz integral, batata-doce, quinoa e inhame, por exemplo. Esses são absorvidos de forma mais lenta pelo organismo, o que não causa um aumento súbito na insulina. E isso obviamente é muito melhor para a nossa saúde!

Embora seja um grupo importante, ele não é essencial para a nossa saúde, uma vez que o corpo consegue extrair energia também de gorduras e proteínas.

Mas isso não quer dizer que não devemos consumi-los! Isso quer dizer que precisamos REAPRENDER A CONSUMI-LOS, especialmente se a nossa busca for, também, um controle de peso.

Isso porque são os carboidratos que promovem o aumento do hormônio chamado insulina, que, apesar de ter um importante papel no metabolismo da glicose, é um dos maiores responsáveis pelo aumento de gordura corporal, entre outras coisas. Entende por que fazer boas escolhas e saber dosar é fundamental?

Embora muita gente esteja ficando paranoica por aí (o que é uma pena!), esta não é uma questão de paranoia ou extremismo. É uma questão de inteligência – usar o conhecimento a favor do corpo. E sempre testar, lógico!

Você já experimentou reduzir o consumo de farinhas brancas para ver o que acontece?
Posso garantir que depois de alguns dias vai se sentir muito bem!

Cortar o carboidrato faz mal para a saúde?

Como sempre falo: retirar totalmente qualquer nutriente da sua alimentação pode sim fazer mal para a saúde e não é uma conduta que recomendo para pessoas comuns (digo isso porque há casos específicos em que a dieta cetogênica – bem limitada em carboidratos – pode ser benéfica).

Porém, o que deve haver sempre é um equilíbrio, de acordo com o perfil e os objetivos de cada um.

Um jeito bem simples de diminuir o carboidrato de sua alimentação é evitando itens que, além de serem concentrados nesse nutriente, não são muito saudáveis, como refrigerantes, sucos, biscoitos, pão branco e farinha refinada. Essa medida isolada já garante um ganho enorme em saúde!

Substituir esses alimentos por opções mais nutritivas certamente é um bom caminho, e é isso que a alimentação Low Carb sugere.

Ovos, abacate, azeite, castanhas, proteínas animais ou vegetais – tudo isso traz uma densidade nutricional muito melhor e garante energia e saciedade por muito mais tempo do que os carboidratos sem valor nutricional citados.

CUIDADO

Cada corpo tem suas necessidades individuais, que devem ser observadas e respeitadas. Dietas radicais sem causas específicas, assim como uma alimentação Low Carb mal aplicada, podem trazer sérias consequências físicas e psicológicas. Muito cuidado e coerência é fundamental! Ainda mais se tratando de saúde.

O segredo é conhecer um pouco mais sobre o que os estudos atuais mostram, testar (sempre!) esses conceitos em sua vida e ver o que serve e funciona para você.

Em alimentação não existe uma regra única, existe o que funciona para nós!
A chave do sucesso, como sempre falo, é aprender a gostar do que te faz bem.
Assim nunca haverá dieta, e sim estilo de vida.

Sei que falar parece simples, mas eu estou aqui para te ajudar! 😉

LOW CARB FLEXÍVEL

Na minha vida e no meu modelo de trabalho, desenvolvido com muito estudo e pesquisas, eu defendo o estilo de vida Low Carb FLEXÍVEL.

É uma forma de se alimentar que permite unir os resultados e o prazer em comer bem.

Tenho mostrado sugestões e reflexões aqui nesse blog ou nas redes sociais, tudo para ajudar a refletir e experimentar novos caminhos em saúde que funcionem para você.

Gostou deste artigo e quer receber mais informações como essa sempre em seu e-mail?
Assine a minha newsletter e fique por dentro das novidades aqui do blog! ?❤

Entenda a diferença entre intolerância e alergia alimentar

Entenda a diferença entre intolerância e alergia alimentar

Saber ouvir os sinais do corpo é fundamental quando se busca saúde. E ele fala através de sintomas. Por fatores diversos, como o aumento da toxicidade no mundo, monotonia alimentar e alguns desequilíbrios orgânicos, é muito comum hoje nos tornamos sensíveis a alguns alimentos. Mas existe uma diferença entre intolerância e alergia alimentar. Para te ajudar a entender, eu expliquei um pouquinho melhor as características de cada uma. Confira!

Intolerância alimentar

Confundir essas duas condições (Intolerância e alergia alimentar) é super normal. Afinal, elas podem ser causadas até pelos mesmos alimentos. Mas as razões que levam o corpo a reagir acontecem por diferentes motivos e têm diferentes consequências.

O leite de vaca e seus derivados, por exemplo, são alimentos que podem desencadear tanto a intolerância quanto a alergia alimentar, mas os sintomas de cada situação são diferentes e é por isso que saber a diferença entre elas é importante.

O que é intolerância alimentar?

A intolerância alimentar é um problema muito comum que pode aparecer em qualquer fase da vida, mesmo que a pessoa tenha comido o alimento causador da intolerância durante muitos anos.

Ela acontece devido a uma deficiência enzimática do sistema digestivo, que faz com que determinado alimento não seja bem digerido, e é por isso que os sintomas causados pela intolerância alimentar são geralmente gastrointestinais.

Na intolerância alimentar, os sintomas costumam ser imediatos, o que facilita o diagnóstico. Veja alguns dos principais sintomas ligados a essa condição:

  • estufamento;
  • diarreia;
  • gases;
  • dor no estômago;
  • vômitos;
  • azia;
  • cólicas.

Uma das intolerâncias mais comuns que conhecemos é a intolerância à lactose. Na ausência da enzima lactase, o açúcar do leite (lactose) não é digerido e fermenta, causando os sintomas.

O que é alergia alimentar?

Já a alergia alimentar é uma reação à partícula proteica do alimento, feita através da ativação do sistema imunológico.

Ela ocorre quando o organismo reage ao alimento ingerido, acreditando ser uma substância agressora e, por isso, cria anticorpos. Essa reação é chamada de tardia, desencadeando sintomas de dois a três dias depois da ingestão – o que dificulta muito o diagnóstico.

Esse tipo de reação é cada vez mais comum e, embora possa não trazer sintomas agudos ou consequências imediatas, pode levar a um estado inflamatório crônico, lesando aos poucos a saúde como um todo.

Entre os principais alimentos ligados a esse tipo de reação estão proteína do leite, soja, trigo, amendoim e até ovos. Sim, ovos são saudáveis para grande parte das pessoas, mas quem não digere bem suas proteínas não terá benefícios em seu consumo.

Muito pelo contrário – os processos inflamatórios causados pela má digestão e absorção desse alimento podem causar, além de sintomas, doenças sérias.

Entre elas estão o aumento da permeabilidade intestinal (algo muito estudado hoje em dia, a famosa “leaky gut”) e uma série de doenças autoimunes (como artrite, lúpus, tireoidite de hashimoto e vitiligo). E isso serve para qualquer alimento que o corpo não digira bem, algo bem individual.

Desafio Low Carb

Possíveis sintomas da alergia alimentar

  • urticária;
  • coceira;
  • descamação ou manchas na pele;
  • inchaço da boca ou dos olhos;
  • olheiras;
  • diarreia e vômitos;
  • dores de cabeça;
  • intestino irritável;
  • inchaço constante.

A alergia alimentar deve ser investigada por meio de testes específicos (mediados por IgG) ou pela dieta de remoção seguida de observação – tire da dieta o alimento suspeito por um período mínimo de um mês, retomando após esse período e observando os sintomas até quatro dias após o consumo.

Se você notar que seu organismo dá alguns sinais de intolerância ou alergia alimentar ao ingerir determinado alimento, procure um profissional para a realização dos exames necessários e obter o diagnóstico do seu caso.

Conhecer o seu organismo e o que faz mal para ele é muito importante para a construção de um plano alimentar que vai atingir completamente seus objetivos nutricionais.
Portanto, fique atento ao seu corpo!

Quer ter acesso a mais artigos como esse e receber as novidades fresquinhas do meu blog em seu e-mail? Assine a minha newsletter. Eu prometo que você vai gostar do conteúdo! 😉 <3

Pin It on Pinterest